segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Rede de ilusões

No facebook, todo mundo é sociável, todo mundo é bem resolvido, todo mundo se dá bem. Todo mundo tem planos e projetos, todo mundo faz promessas, todo mundo é determinado. Todo mundo tem estilo, todo mundo é seguro de si mesmo, todo mundo tem identidade. Todo mundo está feliz, todo mundo gosta de todo mundo, todo mundo se entrega de alma e coração a algo ou alguém.
Pessoalmente, descobre-se que todo mundo quer distância de todo mundo, que ninguém suporta essa tal de sociedade. Observa-se que todo mundo passa por dificuldades, que alguns desafios exigem maior gasto de energia, que alguns ‘produtos’ humanos apresentam falhas. Vê-se que promessas, por vezes, não saem do papel... nem da boca, que nem todo mundo é tão inabalável assim e que todos têm medo de algo ou alguém. Constata-se que ninguém é feliz o tempo todo, que nem todos optam por criar laços afetivos ou aproximar-se de alguém. Que muitos vivem nas mentiras que contam para si mesmos.
As redes sociais são sempre divertidas, encantadoras, engraçadas, admiráveis, etc., pelo simples fato de que ninguém precisa conhecer ninguém. Ninguém precisa mergulhar em ninguém. Para os medrosos, inseguros, inocentes, iludidos, carentes e afins, relações à distância já são mais que suficientes.